Cantora se apresenta em Moscou e São Petersburgo em agosto.
Ela disse, em seu perfil no Facebook, que medida é 'atrocidade ridícula'.


Madonna foi a atração do intervalo do Super Bowl, neste domingo (Foto: AP/Charlie Riedel)Madonna foi a atração do intervalo da edição deste ano do Super Bowl (Foto: AP/Charlie Riedel)
Madonna prometeu desafiar uma lei recente contra a "propaganda positiva" de LGBTs na cidade natal de Vladimir Putin, São Petersburgo, em sua próxima turnê pela Rússia no verão. Ela toca na cidade em agosto. Chamando a legislação, que impõe multas para quem promover a homossexualidade de "atrocidade ridícula" em sua página no Facebook, ela disse que iria resolver o problema durante o seu show.

"Eu irei a São Petersburgo para falar pela comunidade gay, para apoiar a comunidade gay", disse ela. Sua turnê russa começa em agosto, meses após a abertura de sua academia particular em Moscou, cujo nome vem do álbum dela de 2008, "Hard Candy".

A legislação foi assinada em março pelo prefeito de São Petersburgo e aliado de Putin, Georgy Poltavchenko. A lei impõe uma multa de até 500.000 rublos (US$ 17.100) para quem espalhar o que a lei chama de "propaganda homossexual", que poderia "prejudicar a saúde, desenvolvimento moral e espiritual do menor de idade", definidos como menores de 18 anos.

A lei tem causado preocupações na comunidade LGBT, que teme que ela poderia ser usada para reprimir as raras demonstrações públicas na Rússia de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, como as Paradas do Orgulho LGBT. Ativistas em Moscou e São Petersburgo programaram duas paradas durante a turnê de Madonna, de acordo com o site GayRussia.eu.

Inúmeras tentativas de realizar protestos em Moscou, considerados ilegais pelas autoridades, acabaram em prisões e confrontos com vários cristãos ultra-ortodoxos que dizem que LGBTs devem ser punidos ou tratados em hospitais por "doença".

Em 2010, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos multou a Rússia por banir manifestações de LGBTs em Moscou, no que os ativistas dos direitos LGBT descreveram como uma vitória histórica. Madonna provocou protestos de ativistas da Igreja Ortodoxa Russa em uma visita a Moscou em 2006, quando ela cantou "Live to Tell" em um crucifixo enquanto usava uma coroa de espinhos.